18.3 C
Pomerode
domingo, 17 de outubro de 2021

Aos olhos de Maitê

Família cria campanha on-line para auxiliar nos tratamentos necessários para a bebê

A corrente do bem desse mês dedicado às crianças é para ajudar Maitê Souza da Silva, que nasceu em dezembro do ano passado, em Blumenau. Apesar de tão pequena, a bebê já mostrou ao mundo que tem muita vontade de viver. Mas, para isso, precisa da ajuda de cada um de nós!


A mãe, Ana Carolina, foi diagnosticada com Covid-19 durante a gestação e, em função disso, teve várias complicações a partir da 24ª semana. Os médicos, então, tentaram manter a gravidez o máximo de tempo possível para que Maitê estivesse pronta para vir ao mundo. “Ela nasceu na madrugada do dia 5 de dezembro, um pouco depois de termos completado 32 semanas”, conta a mãe.
A bebê foi internada em uma unidade de cuidados intermediários neonatal (UCIN) logo após o parto. Ainda em dezembro, apresentou uma piora no quadro, quando foi descoberto um sangramento no globo ocular de Maitê. “Ela foi transferida para a UTI e passou por um procedimento a laser.”


As semanas seguintes foram de muito medo e superação para a família. Vários foram os diagnósticos apresentados e ela sofreu uma nova piora no quadro. “Recebemos o encaminhamento para continuar o tratamento em Florianópolis. Quando esteve internada lá, Maitê sofreu uma parada cardiorrespiratória e várias convulsões, o que acabou ocasionando sequelas”, explica Ana.

De volta a Blumenau, a pequena teve que ser intubada por problemas respiratórios. Além da traqueostomia, passou também a se alimentar via gastrostomia. “Ela faz uso de uma suplementação especial por apresentar uma intolerância alimentar. Além disso, a Maitê tem um descolamento de retina e desenvolveu uma catarata em um dos olhos. A visão dela está piorando a cada dia e, por isso, estamos correndo contra o tempo para que possa ter o melhor tratamento e, assim, voltar a enxergar”, afirma.
Os médicos suspeitam que Maitê tenha vitreorrettinopatia exsudativa familiar e hiperplasia adrenal congênita. Mas, para que o diagnóstico seja fechado e ela inicie um tratamento mais completo, são necessários alguns exames complementares, um deles feito apenas em São Paulo e outros não disponibilizados pelo SUS. “Com a definição do quadro correto, podemos procurar ajuda para o melhor tratamento para a nossa filha.”


Por isso, Ana Carolina e o marido Leonardo criaram uma vaquinha on-line com o intuito de ajudar nos gastos financeiros para manter os equipamentos necessários que Maitê deve usar em casa, bem como ajudar no pagamento dos exames e tratamentos necessários para a pequena. “A nossa maior dificuldade é encontrar recursos para fechar o diagnóstico correto e podermos encaminhá-la a um tratamento adequado. Não vamos desistir e seguiremos na luta pela Maitê”, reitera.

Colabore!
Para ajudar a Maitê e a família na campanha #todospelamaite, você pode contribuir com a Vakinha (vaka.me/1822521), ou fazer um PIX (CPF: 15768763902 – Maitê Souza ou CPF: 04985406260 – Ana Carolina).
Para conhecer um pouco mais da história dessa pequena guerreira, acesse as redes sociais
@maitesouza_trufinha

Receba notícias direto no seu celular, através dos nossos grupos. Escolha a sua opção:

WhatsApp

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas notícias