22.2 C
Pomerode
sábado, 04 de dezembro de 2021

Os perigos do subdiagnóstico

O subdiagnóstico é um tema pouco abordado, mas de impacto grandioso no desenvolvimento das crianças que apresentam “sinais/funcionamento” compatíveis com os de uma síndrome ou transtorno, mas não o suficiente para fechamento de um diagnóstico clínico.


E o que isso significa?


Para facilitar o entendimento de vocês sobre o tema, usarei o seguinte exemplo: uma criança se submete a um exame de sangue de rotina, no qual é constatado que ela está se aproximando de um quadro de diabetes. No mesmo instante, a família é orientada a mudar seus hábitos alimentares, aumentar a frequência das atividades físicas, etc. Percebam: não se espera que a diabetes se instale para começar um tratamento. A ação é preventiva, pois fatores de risco foram encontrados, certo?
Agora se, por exemplo, uma criança começa a apresentar um comportamento disfuncional em casa, na escola, na relação com os amiguinhos e é submetida a consultas com pediatra, neuropediatra, psicólogo, mas não preenche todos os critérios para receber um diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade ou Transtorno do Espectro Autista, ou Transtorno Opositor Desafiador, ou qualquer outro diagnóstico que “justificaria” tais comportamentos e dificuldades, em geral a família tem uma grande sensação de “alívio”, se convencendo de que esses desafios comportamentais fazem parte do desenvolvimento, que são “uma fase” e logo passarão. Mas é exatamente com essa postura que diminuímos as chances dessa criança desenvolver habilidades para lidar com essas dificuldades.


Porque mesmo sem um diagnóstico fechado, as necessidades de intervenção estão se mostrando, e não receber as terapias e recursos disponíveis em um tratamento preventivo, pode gerar futuramente prejuízos compatíveis com os de alguém com diagnóstico fechado.


Em tempos de “chuvas de laudos”, temos que nos preocupar e agir mais em função do que a criança apresenta, do que sobre o que o papel diz.

Quando o problema ainda é “pequeno”, mas você resolve esperar, ele crescer para resolver!

Receba notícias direto no seu celular, através dos nossos grupos. Escolha a sua opção:

WhatsApp

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Destaques

Últimas notícias